terça-feira, 20 de outubro de 2015

Diário da 3ªFIV / 4ª TEC: Sobre o D3 após transferência



O domingo amanheceu triste, com um silêncio de luto, talvez tragicamente antecipado por nós – e espero, lá no fundo, que eu esteja enganada. Depois da discussão com meu marido na noite anterior porque peguei sobrinho no colo e isso pode ter afetado o processo de fixação dos embriões. Como disse, na hora, não percebi e foram uns 2 minutinhos. O garoto é bem pequeno, tem 2 anos e uns 13 Kg. Só que a bronca que levei do meu  marido foi tão intensa, que além da briga, tive uma crise de ansiedade e ataque de pânico, algo que não acontecia comigo há uns 5 anos.
Chorei muito... Fiquei com medo que o esforço para controlar a respiração durante a crise possa ter gerado contrações uterinas, o que afeta a fixação dos embriões, mas não pude evitar depois da discussão.
Fiz uma pesquisa e não encontrei nada sobre o assunto, pois o repouso absoluto é controverso, mas as clínicas pedem repouso relativo sem carregar peso ou algum outro movimento brusco. Alguém sabe algo sobre isso???

Achei este link que até alivia um pouco, mas ainda há controvérsia sobre o tema:
http://www.medicinareprodutiva.com.br/2013/09/atualizacao-sobre-o-repouso-apos-a-transferencia-embrionaria/

E este trecho: “A recomendação é de repouso relativo nos dois primeiros dias. Pode andar, ir ao banheiro, sentar, sem problemas. Existem trabalhos que não evidenciaram melhora na taxa de gravidez com o repouso, mas achamos importante para que a paciente fique em paz e não se sinta culpada de fazer atividades nesse dois primeiros dias. A vida segue normal após esse dois dias, mas a paciente deve evitar atividades físicas e relações sexuais, prevenindo a contração uterina que pode prejudicar a implantação”. Fonte: Clínica Vida Bem Vinda (http://blog.vidabemvinda.com.br/duas-semanas-de-muita-ansiedade)
 
Bom, voltando ao meu diário: depois de um café da manhã em silêncio, não aguentei e caí novamente no choro, me culpando por tudo. Aí meu marido percebeu o quanto fiquei mal e ligou para o médico. No vivavoz, o doutor (sempre muito gentil), me disse que o repouso é um zelo extra e que não afeta e eu deveria me acalmar. Acho que ele disse isso apenas para me tranquilizar e agora o estrago foi feito.
Tentei não pensar nisso no restante do dia, apesar da tristeza Estou tirando forças do meu interior para continuar com a perseverança de sempre, mas me permiti sentir a dor deste momento, pois não somos de ferro. Juntando energias para manter o otimismo. Seguindo em frente, sempre...