quinta-feira, 29 de outubro de 2015

O que significa cada sintoma após a transferência dos embriões em uma FIV?


Tenho recebido muitos e-mails e adoro isso, estou tentando responder a todos, às vezes demoro um pouquinho porque o trabalho suga parte do meu tempo e não consigo ser tão ágil... É muito bom poder trocar experiências, agradeço imensamente pelo carinho.
Uma das perguntas mais comuns é sobre cada um dos sintomas após a transferência dos embriões em uma FIV.

 
Como já compartilhei aqui com vcs, nesta 4ª tentativa – e felizmente positiva até o momento, espero que seja assim até o final! – não tive nenhum sintoma.
 
Em geral, as mulheres comentam sobre inchaço na barriga ou nos seios, gases, dor de cabeça, leves cólicas e azia, dentre alguns outros sintomas. Porém, considerando o fluxo de hormônios em nosso corpo decorrentes de uma gravidez, por ser um período curto até a realização do exame Beta, não dá para perceber os resultados como sinais de uma gravidez.
 
Ficamos muito apreensivas e ansiosas, esperando por um sinal – inclusive eu, quase pirando! – mas grande parte dos resultados é decorrente do uso da medicação.
 
É um processo de quase tortura psicológica porque os procedimentos da Fertilização In Vitro geram uma tensão em cada etapa, começando lá na estimulação ovariana para produzir os folículos, aí vem a punção, a espera pelo desenvolvimento dos embriões (e para que cheguem até o 3º ou 5º dia) e a transferência.  Ufa, uma maratona mesmo! E tem mais: aí chegam os 10 a 12 dias de espera interminável para fazermos o Beta Hcg.
 
E é neste período de espera pelo Beta Hcg que não temos muito o que fazer. É só usar a medicação, manter a cautela para evitar excessos de atividade física e controlar a “cabeça nervosa”. Só que aí precisamos de sinais, ou seja, queremos indícios de que eles estão ali conosco.
 
Nestes dias que parecem durar meses, imploramos por evidências de uma possível gravidez. Porém, para a grande maioria das mulheres, os sintomas são decorrentes do uso dos remédios, como o estrogênio (com a Primogyna ou adesivos de Estradiol) e da progesterona (Crinone, Utrogestan ou Evocanil).
 
No caso da Progesterona, ela tem a função de prepara o corpo da mulher para a gravidez (pois estimula as células do endométrio a se proliferarem e garante com que o embrião se fixe para a formação da placenta) e mantê-la, é o hormônio responsável pela continuidade da gravidez pois evita a descamação do endométrio, que ocasionaria um aborto.
 
Por isso, sentimos mais cansaço ou sonolência, que são típicos do início de uma gravidez.
 
Depois do positivo, chega a preocupação com possíveis sangramentos. Enquanto esperamos a nidação (o que é um sangramento decorrente da implantação do óvulo fecundado na parede do útero) entre o D7 a D12, após o Positivo no Beta Hcg, passa a ser um pesadelo. Acho que é isso que estou vivendo agora e por isso resolvi compartilhar.
 
Dá aquele medo quando vem uma manchinha com o resíduo da medicação e, graças às modernidades e tecnologia, dá para passar um WhatsApp ao médico e esperar orientações. O meu é tão paciente, espero não enviar mais nenhum recadinho para ele sobre sangramento, estou em repouso como recomendou.
 
É isso, espero ter ajudado as meninas que não estão com nenhum sintoma após a transferência, pois não senti nada e recebi meu positivo no Beta!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!