quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Juntando os cacos e partindo para a próxima tentativa

Para quem está acompanhando a minha jornada e toda a decepção depois do negativo, estou na fase de recuperação da notícia (mais emocional, porque físico a gente não sente muita coisa quando é feita TEC - Transferência dos Embriões Congelados).

No domingo fiquei menstruada, com cólica absurdamente forte e fluxo intenso. Também, depois de tantos hormônios, o corpo sente. Como engordei uns 3Kg, voltei a fazer atividade física.

Continuo tomando vitaminas (B, C, E) e ácido fólico, também tenho comigo um monte de gelatina. Cortei doces e o café já tinha cortado há muito tempo.

Estou preparando novamente o meu corpo para receber os 3 "congeladinhos" que estão na clínica.

Na segunda fui até a médica, meu marido foi comigo. Ele tem sido muito compreensivo, ficou decepcionado com o negativo e está me dando muito apoio. Me mimou tanto nos dias que esperamos o resultado, tive "13 dias de vida de princesa" kkkkkkk

Como já tinha feito uma pesquisa no Dr. Google (tá, seu sei que não devia, mas fiz...), aí fui esperando uma resposta da médica, que falou maios ou menos o que já era de protocolo - mas deixou algumas dúvidas.

Tudo são probabilidades e aí tem que haver um pensamento bem racional...

Ela disse que a falha na implantação dos embriões pode ser decorrente de falhas genética e há médico que preferem tentar duas transferências antes de solicitar alguns exames (que são caros e os planos de saúde não cobrem).

Como, em nosso caso em particular, não queremos perder tempo, ela disse que podemos fazer a investigação antes de usar os congeladinhos.

Assim, os problemas poderiam ser: 

a) Imunológicos: faremos o Cross Match e alguns exames de sangue (o exame custa R$500,00 e se precisar usar as vacinas, são R$700,00 cada dose, sendo 3 antes da transferência e mais algumas até o 3º mês de gravidez.

b) Genético: podemos fazer o PGD para analisar os embriões (que custa R$500,00) - embora a médica tenha dito que na minha idade (36 anos), são mais raros os problemas desta natureza

c) Fisiológicos: que seriam do endométrio, mas ela descartou.

Para garantir, também pediu alguns exames para analisar se há problemas de trombofilia.

Estou com a lista de exames e vou passar na Unimed para ver se autorizam... Acho que não vai rolar pelo plano, mas vou tentar.


Pelo que conversei com meu marido, vamos fazer esta investigação, mesmo que demore um pouco mais para a próxima transferência...

Até arrumei um trampo extra (dar uma aulas nos cursos de pós-graduação) para reforçar o caixa e uma grana para compensar estes exames. Fazer o quê... tenho certeza que isso não é nada perto da alegria que os bebês nos trarão.