sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Desfecho da postagem anterior: sobre a decisão de tentar ser mãe e os dilemas profissionais



Olá a tod@s! Passo aqui para contar qual foi o desfecho da postagem anterior...

Contei que recebi uma proposta de emprego, talvez o que sempre esperei em toda minha vida profissional e então fiquei naquela situação complicado: aceito mudar toda minha rotina de trabalho, mudar de cidade, ter muitos compromissos e viagens e ainda mais stress (para quem já percebeu que sou workaholic) e adiar ainda mais os projetos pessoais?
Depois de ponderar tudo isso e conversar com meu marido, decidi recusar ao convite... Não foi fácil, mas tive que decidir sobre meus projetos pessoais de ser mãe (tentar pois é um processo longo que vcs acompanhar aqui e estou ciente que não depende só de minha vontade) e os desafios profissionais.

Meninas, é isso, batalhamos por tantas conquistas profissionais, hoje desempenhamos funções em cargos que antes eram restritos aos homens, somos executivas, taxistas, motoristas de ônibus e tantas outras funções que já ocupamos no mercado de trabalho nos últimos anos, mas ainda temos várias questões a resolver.
Nem estou falando de questões objetivas sobre o mercado de trabalho em que as mulheres ganham 30% menos que os homens – embora estudem mais sendo maioria nos cursos de ensino superior ou tendo mais horas de estudo – o que é simplesmente uma questão de gênero e discriminação da sociedade. Nem vou entrar neste mérito... embora seja um grande problema apensar de todas as nossas conquistas. Mas falo agora do nosso relógio biológico, dos nossos dilemas e instintos, de nossos projetos pessoais, daquilo que nos fazer feliz além de um salário, um cargo executivo, um bônus no final do ano ou bens materiais.

Pois é, o grande dilema da mulher neste mundo moderno. Por isso, continuo em meu emprego, com uma agenda bastante apertada de compromissos, mas optei por morar perto do trabalho, poder ter flexibilidade de horários e perseguir meu sonho. Não estou reclamando do que faço hoje, pois sou muito feliz e amo meu emprego. Mas não posso deixar meus projetos de lado.
Para finalizar a postagem, sempre lembro de uma destas histórias sem autoria confirmada que rolam pela internet e, independente de quem escreveu e se é ou não verídica, usei como parâmetro para minha decisão Este texto que circula há anos e vou publicar sobre um dos links com a história (mas há muuuuitas no Google). Segue abaixo, espero que gostem...

Bjs e um ótimo final de semana com feriadão!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

O FAMOSO DISCURSO DE BRYAN DYSON, EX-PRESIDENTE DA COCA-COLA

Recebi um e-mail de um amigo, com um texto intitulado “O menor discurso de despedida de Bryan Dyson, ex-presidente da Coca-Cola”. Resolvi “googar” o assunto, pois achei o título engraçado: “O menor discurso de despedida…” Pôxa, quantas vezes esse sujeito já se despediu para este ser o seu “menor discurso”?
Descobri que este texto já circula há alguns anos e é da época em que a palavra viralização (no sentido digital), praticamente nem existia. Não consegui descobrir se este foi mesmo o seu discurso de despedida da Coca-Cola (como alguns afirmam), ou quando participou de um evento em uma faculdade americana, nem se foi o mais curto. Realmente eu não pretendia ligar para a Coca-Cola e perguntar onde e quando foi feito.

Independente desses detalhes, achei o conteúdo muito bacana e quero compartilha-lo:
“Imagine a vida como um jogo em que você esteja fazendo malabarismos com cinco bolas no ar. Estas são: seu Trabalho – sua Família – sua Saúde – seus Amigos e sua Vida Espiritual, e você terá de mantê-las todas no ar.

Logo você vai perceber que o Trabalho é como uma bola de borracha. Se soltá-la, ela rebate e volta. Mas as outras quatro bolas: Família, Saúde, Amigos e Espírito, são frágeis como vidros. Se você soltar qualquer uma destas, ela ficará irremediavelmente lascada, marcada, com arranhões, ou mesmo quebradas, vale dizer, nunca mais será a mesma.

Deve entender isto: tem que apreciar e esforçar para conseguir cuidar do mais valioso.
Trabalhe eficientemente no horário regular do escritório e deixe o trabalho no horário. Gaste o tempo requerido à tua família e aos seus amigos.

Faça exercício, coma e descanse adequadamente. E sobretudo… Cresça na sua vida interior, no espiritual, que é o mais transcendental, porque é eterno.
Shakespeare dizia: “Sempre me sinto feliz, sabes por quê? Porque não espero nada de ninguém. Esperar sempre dói. Os problemas não são eternos, sempre têm solução.

O único que não se resolve é a morte. A vida é curta, por isso, ame-a!