segunda-feira, 2 de março de 2015

Contar ou não para família e amigas próximas sobre o tratamento de fertilização?


No sábado comecei preparação para a 3ª TEC. Com a menstruação (dia 28/2), coloquei 3 adesivos de Estradot 100mg (em substituição ao Primogyna que me deu muita dor de estômago). Vamos lá, tenho 6 congeladinhos de D3 e espero que evoluam bem até o D5 para transferência.

Mas hoje acordei pensando em outro assunto... Estava refletindo sobre o fato de contarmos ou não para parentes e amigos sobre nosso tratamento. No meu caso, este tem sido um segredo, fica comigo e meu marido. Não sei se é a melhor opção, mas realmente é nosso "segredo de casal".
 
 

Algumas amigas próximas (uma amiga de infância que mora fora do Brasil e três amigas desde a época de faculdade) ficaram sabendo que fiz o congelamento de óvulos.
 
Uma destas amigas, que está solteira, também fez o congelamento dos óvulos porque ela pretende um dia ter filhos e, com o avançar da idade e por não ter ninguém no momento, resolveu se precaver. Acho que é interessante e contei que fiz o mesmo, pois apesar de estar casada, disse que ainda não queria ter filhos. Não é verdade, mas se contasse tudo, seria muita pressão.
 
É exatamente por esta pressão que já sofremos quando não dá certo, fico imaginando por adicionar a pressão destas outras pessoas, com mais expectativa e ansiedade. Já tenho o suficiente e aí resolvi manter em segredo.
 
Acho que minha irmã e cunhada desconfiam, assim como minha mãe, mas este é um assunto do tipo "tabu" e ninguém tem coragem de me perguntar. Também não vou falar e está bem assim.
 
O pior é que, como não queria que ninguém soubesse no trabalho ou mesmo entre conhecidos. Mas como a cidade, apesar de grande, não impede encontros casuais, aconteceram dois casos.
 
Um deles foi ainda na época que comecei o uso da medicação para estimular a produção dos óvulos, ainda em novembro do ano passado. Ao sairmos da clínica, a loja que vende a medicação especial fica bem ao lado da entrada do consultório, na verdade, é o mesmo prédio e não sei se o meu médico tem relação. Mas ao sair, demos de cara com um grande amigo do meu marido, que estava saindo da loja com uma sacolinha com medicação. Não sei se ele fingiu que não nos viu (ou não viu mesmo), mas no nosso caso, fingimos não ter visto. Ficou aquela coisa estranha... será que ele está fazendo tratamento também?
 
O segundo caso foi no dia da transferência. Ao descer as escadas da clinica para a sala de preparo, dei de cara com um aluno da faculdade, que trabalha na clínica como consultor do sistema de informática. Cumprimentei, meio sem graça e já fiquei imaginando que ele contaria para a sala toda. Na quinta passada, eu estava na minha sala na faculdade, ele entrou e foi conversar com meu colega na mesa ao lado. Fingimos que nada tinha acontecido, pois suponho que ele saiba separar as questões profissionais.

No mais, tenho mantido o segredo para evitar que a pressão seja ainda maior - mesmo que seja de pessoas que querem nosso bem e o sucesso do tratamento - mas aí lidar com a frustração de outro negativo e ter que dar explicações pode ser ainda mais penoso.
 
E vocês, meninas, quem está fazendo o tratamento da FIV tem contado para familiares e amigos? Me contem.... Gostaria de ter outras opiniões.

:)