quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Reflexões sobre as emoções após o Beta Positivo na FIV, os medos e as expectativas

Meninas, como prometi desde que criei este blog, contarei aqui todas as minhas emoções e o que vou aprendendo nesta saga, um misto de confissões, desabafo, experiência e informações que recebo dos médicos (mas sempre deixando claro que sou leiga, com discernimento sempre). Entrei na 4ª semana e não tenho nenhum sintoma de gravidez e isso mantem minhas neuroses de sempre (nunca escondi isso de vocês, não é só resultado da FIV!!!!)
Por isso, sempre vou narrar em primeira pessoa todas as comemorações de cada uma das fases com as conquistas e, como é um processo de muita ansiedade e expectativa, vou contar aqui também os meus medos e encanações. Será sempre “sem filtro”, ou seja, não me importo com julgamentos, quero apenas registrar minha história e acalmar mulheres que passam pelo mesmo processo.
Já adiando, este não será meu post mais popular – e depois perceberão isso... (rs), mas é parte da minha proposta da sinceridade de sentimentos e pontos de vista, sempre com abertura para o diálogo.
Percebi, em todo este processo louco de FIV, que informação é muito importante. Há muita coisa bacana na internet e não vivemos mais sem uma “pesquisinha básica” na rede, mas também devemos tomar cuidado com o que é divulgado em um espaço livre como é a web, onde nem sempre pesquisas e dados são comprovados, há fontes pouco confiáveis porque qualquer um vira autor. Sinto isso na minha prática profissional quando oriento os trabalhos de conclusão de curso na faculdade, tanto graduação como pós-graduação e vejo que as pessoas reproduzem coisas que estão em sites com baixíssima ou nenhuma reputação técnica ou validade acadêmica. Assim, é preciso muita cautela ao consultar o Dr. Google.
A internet tem um lado maravilhoso que é permitir que todos nós possamos nos expressar – e estou escrevendo neste blog graças à esta maravilhosa oportunidade – mas por outro lado, também abre espaço para informações desencontradas, plágio, dados equivocados, senso comum travestido de verdade científica, preconceitos, misoginia, retrocessos intelectuais por obscutarismo religioso e ataques à reputações pessoais. Há muita coisa deste tipo nas redes sociais e as pessoas esquecem das consequências jurídicas disso. Vejam o caso recente com a pergunta do ENEM sobre Simone De Beauvoir e a redação sobre violência contra mulher que causou tanto furor nos conservadores de plantão, que ignoram todos os avanços da mulher na sociedade, nossos direitos e vitórias contra o preconceito no que se refere à questão de gênero.
No caso do plágio, já encontrei muita coisa minha – sobre meus artigos acadêmicos e material de pesquisa – divulgados na web sem minha autorização, infringindo os direitos autorais e não são poucos os casos. Não vou relatar aqui para manter o sigilo. Outro caso que fiquei sabendo recentemente foi por meio de uma denúncia anônima que uma mulher em Fortaleza estava usando o meu material para dar treinamentos/workshops e cobrava por isso, tirando apenas meu nome e colocando o dela. Já estou tomando as providências processuais com o advogado, mas é muito chato.
Achei até vários blogs com cópia (e outros com paráfrases) dos meus posts. Pasmem, alguns eram bem pessoais e a pessoa apenas “adaptou” meu relato e escreveu como se fosse dela. Bem chato isso...
Outra coisa são os fóruns. Sei que muita gente pode se ofender com o que vou escrever, mas tem muita falta de informação. Há muita crendice e credulidade. Vejam, não estou questionando a fé e sim o fato das pessoas se apegar a informações sem questionamento ou fontes confiáveis. Não é, de forma alguma, um preconceito contra as pessoas que não possuem formação acadêmica, muito longe disso, mas um alerta para não tomarmos como verdade tudo o que lemos. O melhor é sempre buscar o apoio do médico, que deve ser de confiança – e também acessível. Nosso coração fica tão apertado de angústia pelo medo de perder nossos embriões e ter um apoio profissional é muito importante.
Gente, não é para acharem que acordei “de mal com o mundo”.....kkkkkkk.... Era só para dizer que, como a cada fase temos nossas dúvidas e medos, vou reproduzir aqui tudo o que sentir.
Estou bem ciente das possibilidades de abortamento ou falha de implantação, mesmo após o Beta Positivo. Estou comemorando e vibrando com cada uma das fases, vivendo intensamente.
Mas quando dá aquele medo, com um pequeno sangramento, uma cólica ou qualquer sintoma, corremos para a internet, que é um mundo de informação e ao mesmo tempo, fala tão pouco sobre nosso caso em particular. Nem sempre tem informação médica com qualidade, às vezes em alguns sites de clínicas, como o IPGO que tem coisas legais.
Há poucos sites com informações médicas ou artigos especializados. A maioria dos resultados por busca aparece nos fóruns, como o E-Family ou BabyCenter, em que conseguimos informação por meio de relatos, mas também há “desinformação” porque encontramos pessoas abaladas com seus tratamentos ou passaram por episódios estressantes. Claro que o ambiente de solidariedade nos ajuda, mas são pessoas como eu, que sou leiga nos aspectos médicos e por isso tomo muito cuidado ao publicar informações aqui.
Mas tenho que ressaltar a importância da cumplicidade destes fóruns, não é uma crítica a eles, mas um comentário sobre os nossos medos nesta fase após Beta quanto a um possível aborto e a dificuldade em encontrar informações confiáveis, mesmo porque cada caso é diferente, com um histórico pessoal e o melhor é sempre procurar o médico, a pessoa que nos ajudará.
Por isso vou compartilhar o que sinto e espero poder ajudar com esta “solidariedade” a quem aparecer por aqui, a partir do que estou vivendo, inseguranças e descobertas. De coração, agradeço muito pelo apoio de quem está sempre aqui comigo, é muito especial poder ter pessoas queridas que virtualmente – sem nenhum interesse ou mesmo vínculo – torcem por você.
Meu obrigada, a tod@s, mais uma vez!
P
.S. Como parte da loucura desta fase, vou postar a seguir todas as minhas encanações, ok? Não me exclui das pesquisas no Dr. Google. Faço parte do que escrevi acima, “no filter”.