terça-feira, 7 de julho de 2015

Atualizações sobre a consulta desta semana


Meninas, ontem fui a uma nova consulta – com o novo especialista em reprodução da CRHC – mas não abandonei o médico que fez as FIVs anteriores, só resolvi buscar outras opiniões porque até o momento, em toda esta longa trajetória que me acompanham (já se foram 7 anos!), o que me incomoda é que não tenho respostas!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Bom, segundona cedo já estava em pé para organizar minha pasta com os últimos exames. Não sei vocês, mas ficamos tão focada neste lance dos tratamentos que tudo fica tão organizado e detalhado, que tem catalogado um monte de exames por ordem cronológica e comentários... kkkkkk

Montei o “kit consulta” e fui até a clínica. Apesar de um pouco atrasada, eu e meu marido ficamos um tempinho esperando, em meio a outros 3 casais e uma moça que estava sozinha. Aí fiquei naquelas minhas divagações filosóficas – pra quem me conhece pessoalmente, sabe que sempre tenho uma análise sobre cenas pitorescas e uma visão destas “cenas” com pitada de análise X psicologia X crítica X piada – e um pouco de tudo junto para não perder o hábito. Mas a reflexão não foi nada muito elaborado, só fiquei pensando em como me sinto nestas clínicas e como os outros casais se comportam.
Ninguém se olha ou fala entre si, há um certo incômodo no ar, torcemos para não encontrar pessoas conhecidas e, no meu caso, por 3 vezes na outra clínica acabei encontrando pessoas conhecidas (um saco, até contei aqui, a gente finge que não se viu, sabe?)
O clima é que quem está ali é porque tem um problema parecido e, naquele esquema de tabu, todo mundo fala baixinho, os casais ficam de cabeça baixa olhando algo no celular ou lendo uma revista, há sempre uma pastinha em mãos com os resultados de exames e a busca de uma “naturalidade artificial”, se me permitem este padoroxo meio tosco. Resumindo, é chato pra caramba, ainda mais porque a gente fica morrendo de medo do que o médico vai falar, torcendo para ele dizer que está tudo bem.

Mas... voltando à consulta...
O médico, muito gentil, olhou os exames e, pelo perfil bastante assertivo, já vou tratando das probabilidades. Realmente os exames que levei com o histórico mostram que a qualidade dos embriões que geramos nas induções anteriores não era de alta qualidade. De forma clara, não tínhamos embriões campeões. Até poderiam gerar gravidez, mas segundo ele, as chances eram menores pelo problema de desenvolvimento. Eles “perdem a força” após D2, chegando muito fraquinhos em D5 como blastos com células abaixo do esperado.

Assim, o que decidimos: gerar mais embriões e usar os medicamentos para melhorar a qualidade. Não dá para saber se os óvulos todos bons (ele disse que produzo muitos, mas nem todos são estão maduros ou são fecundados). Isso ele disse que dá para tentar melhorar com os medicamentos.
Aí tem o problema que meu marido descobriu na semana passada com a varicocele. A sugestão é, além das vitaminas, não operar, mas fazer novos exames e realizar a punção diretamente dos testículos no dia em que eu for extrair os óvulos. Tudo isso vai aumentar consideravelmente os custos desta FIV, tô chutando pelo que recebi de orçamento, uns R$12.500,00 da clínica, mais R$7.500 dos procedimentos do marido e uns R$7.000 de medicamentos.

Outro ponto são os meus miomas, que cresceram e também aumentaram em quantidade. Levei o ultrassom da semana passada, mas no mesmo dia na clinica, a Dra. Márcia fez outro US e contatou que estou com 5 miomões: 2 com 5cm e 3 com 3,5cm a 3cm. Isso não é bom, infelizmente. Mas não não faremos nada com eles no momento, somente torcer para não crescerem. A notícia boa é que os ovários estão lindos, com mais de 20 folículos antraz em cada. Isso me deixou mais feliz!
Com isso, começaremos novamente o processo do FIV com minha próxima menstruação na primeira semana de agosto! Enquanto isso, saí com os pedidos de exame de sorologia e meu marido realizará mais alguns específicos para ele. Com expectativa, vamos lá!!!!!!!!!!!!!!!