segunda-feira, 11 de maio de 2015

Existe limite de idade para fazer FIV?



Meninas, resolvi dar um tempo para meu corpo e minha cabeça descansarem... Depois de uma FIV em 2013 (julho) e outra em 2014 (com uma TEC em fevereiro e outra em março), dei uma paradinha.

Contei aqui como foi a conversa com o médico e o direcionamento para investigarmos o que pode afetar a qualidade dos embriões. Sei que a idade afeta muito a qualidade dos óvulos e, como já estou com 38 anos, isso me preocupa muito. Até perguntei para ele sobre ovodoação, mas ele disse que ainda não chegamos nesta fase e isso deixaremos como Plano B ou Plano C.

Vou retomar os exames nesta semana e estou pegando no pé do maridão porque ele não gosta muito de fazer os exames. Poxa, passei por tanto exames dolorosos, acho que ele poderia ter um pouco de compreensão, pois não queria parecer chata ao ficar pedindo a todo momento para ele ir até a clínica. Tá, deve ser difícil conseguir colocar no potinho o material, já que é uma salinha impessoal, com gente circulando pelo corredor e pressão para fazer logo... risos. É, vamos dar um desconto!

Hoje estava pensando nesta questão da idade e se já limite para fazer a FIV, porque não vou desistir, mas o tempo urge e este mês que parei já parece que estou perdendo um tempo preciso...

Tecnicamente, se houver doação de óvulos, não há limite técnico. Como a mulher nasce com um número finito de óvulos e, com o passar do tempo, não só sua qualidade é reduzida, mas também sua quantidade. A velocidade da perda aumenta ao redor dos 35-37 anos. Após os 40 anos, a chance de engravidar cai drasticamente e, depois dos 45, é praticamente zero. Como já cheguei em 38, bate o desespero, socorro...

As leis e os Conselhos de Medicina procuram organizar limites para esses procedimentos médicos impedindo abusos. Em abril de 2013 foi lançada a Resolução CFM nº2013/13 do Conselho Federal de Medicina (CFM), que substituiu a anterior, nº1957 de janeiro de 2011, atualizando as regras desses tratamentos.

 
PRINCIPAIS DIRETRIZES DA RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13:


• IDADE DA PACIENTE – a idade máxima das candidatas à gestação de reprodução assistida é de 50 anos.

• DOAÇÃO COMPARTILHADA – o CFM libera que uma mulher, em tratamento para engravidar, doe parte dos seus óvulos para outra mulher, em troca do custeio de parte do tratamento. Estabeleceu-se também um limite de idade da doadora: 35 anos.

• IDADE LIMITE PARA DOAÇÃO DE ESPERMATOZÓIDES – 50 anos.

• ÚTERO DE SUBSTITUIÇÃO – Ampliou-se para parentesco consanguíneo de até 4º grau (incluindo mãe, irmã, avó, tia e prima).

• TRANSFERÊNCIA – A nova redação também deixa mais claro quanto ao número de embriões a serem transferidos no caso de doação: estes devem respeitar o critério de idade da doadora e não da receptora.

• DESCARTE – os embriões criopreservados acima de cinco anos, poderão ser descartados se esta for a vontade dos casais.

• HOMOAFETIVIDADE – É permitido o uso das técnicas de reprodução assistida para relacionamentos homoafetivos e pessoas solteiras, respeitado o direito da objeção de consciência do médico.

• COMPATIBILIDADE HLA – as técnicas de reprodução assistida podem ser usadas para seleção de embriões compatíveis com algum filho do casal afetado por alguma doença que necessite de um transplante.

 
No entanto, sobre há margem para questionamento da constitucionalidade da determinação de uma data-limite para submissão aos tratamentos de FIV. Vejam o artigo abaixo:


 

No caso desta mulher que engravidou com mais de 60 anos aqui em Campinas, segue um link:


 
É uma questão complicada, que envolve ética e também os avanços da ciência. No meu caso, vou tentar até conseguir realizar meu sonho!!!



Outros links:

Sobre a idade e a produção de óvulos


Sobre mães com mais de 50 na Grã-Bretanha