terça-feira, 16 de junho de 2015

De volta... Depois do longo sumiço




Meninas, estou de volta!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Tirei um tempo para deixar o corpo e a cabeça descansarem, mas percebo que até foi demais e olhando os blogs que sigo, vi que tanta coisa aconteceu!

Fiquei totalmente “off”, mas percebi que tenho um defeito muito grande: como não consigo engravidar e concretizar o meu projeto, isso me gera uma frustração que, de forma inconsciente, faço comigo uma “autosabotagem”, ou seja, assumo um monte de trabalho (mas muito mesmo) em uma atitude autodestrutiva para esquecer disso ou me acabar em outras coisas. Este tem sido um motivo de briga com meu marido Sei que é pior porque acabo atrasando o projeto dos bebês, mas parece uma forma de me punir por não ter conseguido.

Na verdade, não sei explicar bem mas acho que vou fazer terapia para entender melhor este projeto e a culpa que carrego. Aos 38 anos e meio, cada mês em que fico menstruada é uma tortura, choro por pensar “um a menos” na luta contra meu relógio biológico.


Bom, para retomar de onde parei aqui na minha saga: após 3 tentativas frustradas, o médico passou para a linha de investigação da qualidade do material genético para os embriões, ou seja, apesar do fato de que eu consigo gerar muitos folículos (e óvulos maduros), eles não se desenvolvem adequadamente.
Para isso, meu marido fez um exame para analisar a qualidade destes embriões em um exame mais sofisticado, já que os espermogramas apareciam com resultado normal. Foi bem difícil e vi que ele protelou muito para fazer. Da última consulta em março, ele só fez na semana passada, depois de muita insistência minha, embora eu imagine que seja horrível o processo para coleta do material, foda mesmo. Ops, sem ela é pior... kkkkkk

Depois de conseguir convencê-lo, no mesmo dia em que fez a coleta, a mocinha da clínica ligou dizendo que não conseguia realizar a análise com o material e ele teria que repetir, imagine o desespero dele. Aí ele foi ontem e teremos o resultado em 10 dias.

Em paralelo, fui ao ginecologista para ver se os miomas haviam crescido (já que os alimentei com muito hormônio nos últimos tratamentos) e se havia algo que justificasse a falta de implantação. Ele pediu alguns exames, tipo Proteína S e outros para ver se há indícios de abortamento, se bem que há fiz esses e os de trombofilia e não deu nada. Também recomendou que faremos uma histeroscopia para ver o tecido do útero.
A histeroscopia, apesar de um procedimento cirúrgico, explicou que será bem simples, com o uso de uma fibra ótica muito fina que permite ver toda a cavidade uterina, feito na clínica mesmo. Ele disse que os exames feitos até agora não indicam alterações mas seria preventivo.

Para ver o tamanho dos miomas, fiz ontem um ultrassom transvaginal e a médica que realizou o exame, ao perguntar o histórico, fez um comentário que voltei para casa pensando e conversei hoje com meu marido, aí compartilho também com vocês aqui (já que conto tudo, tudo mesmo para vocês).
Ao contar para a médico que fiz duas tentativas com o mesmo médico e ao dizer o nome dele, ela comentou – de forma direta e assertiva, pois este era o estilo dela – “sugiro que reveja a escolha do médico e, se for continuar com ele, peça a opinião de outro especialista também. No seu caso, cada mês é precioso, a partir dos 35 anos, suas chances diminuem muito e você precisa correr”.

Puxa, aqui foi um “soco no estômago”. Saí rapidinho de lá porque estava atrasada para uma reunião de trabalho. Mas sempre que tinha um tempo ao longo do dia voltava ao tema em meus pensamentos. Ela me sugeriu um médico que já havia ouvido falar por amigas e que é professor na UNICAMP, o Dr. Petta (www.drpetta.com.br)

Como estou nesta luta contra o relógio, acordei cedo e liguei lá na CRHC que fica perto de casa e agendei uma consulta com ele para o fim deste mês. São R$600 e, se sentir firmeza, talvez troque de médico. Vou reunir minha “pasta roxa” que tem todos os exames e seguir em frente.

É isso. Hoje já chorei um pouquinho porque é um processo doloroso para mim. Ainda não ter conseguido é complicado, mas sei que é uma questão de tempo. Como sempre, seguindo em frente!!! Bjs, Dani.